Psicologia e Você

Adolescência Saudável em 4 Ações!

No comments

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a adolescência compreende o período entre 10 e 19 anos, fase de transição da infância para a vida adulta.

Todos já passamos por ela, temos plena consciência das suas dores e delícias!
É o momento marcado por impulsos do desenvolvimento pleno da pessoa: físico, emocional, mental, sexual, social e intelectual, porque é o momento das escolhas vocacionais, para atingir os objetivos relacionados com as expectativas culturais e financeiras do meio social onde vive.

Essa fase recheada de conflitos, dúvidas e surpresas principia com as surpresas corporais na puberdade, que cedem espaço para conflitos de aceitação, pertencimento, autoestima e se fecha, quando a pessoa consolida seu crescimento físico, sua personalidade torna-se estruturada e, progressivamente esse jovem vai adquirindo independência econômica, reconhecimento profissional, integrando-se em grupos diversos que sejam condizentes com seus parâmetros pessoais e suas ambições sociais.

Falando assim, parece, sim, PARECE simples, linear, harmônico. Contudo, esse período de transição pode tornar-se muito complicado para as pessoas envolvidas no desenvolvimento desse ser humano: o adolescente e seus pais.

Adolescente:

Você talvez já tenha dito isso algumas vezes: “PQP, eu sei o que estou fazendo!” “Já não sou mais criança, posso decidir!” “Você já disse isso, não cansa!?” “Me esquece!” (Sai irritado, bate a porta do quarto, quer morrer, sumir, desintegrar.) “Eu não quero passar o findi no sítio da vó, meus amigos estão combinando uma festa na casa da Paty!”

Ou talvez feito o seguinte: Camufla o fone de ouvido, aumenta o volume, enquanto seus pais fazem o discurso conhecido do quanto você errou, da sua dificuldade de entender a situação, do quanto eles estão investindo no seu futuro, que só querem o seu bem… blábláblá!

Pais: Você disse isso – com certeza – para seu filho, parente ou adolescente do seu convívio: “Você já não é mais uma criança!” “Você já está bem crescidinho para isso!” (quando o teen tem um comportamento inconsequente)  “Enquanto você estiver sob meu domínio, você tem de me obedecer!” “Você é uma criança, não sabe o que faz!” “Você ainda não pode decidir isso!” (diante de uma atitude adolescente que contraria a ordem do lar)

Queridos Pais e Filhos, vocês estão diante da adolescência!!!!

Momento tensão para ambos, porque os pais, muitas vezes demonstram incapacidade de compreender e lidar com as mudanças tempestivas dos seus filhos, que buscam estruturar sua própria identidade, questionando as regras, driblando os limites propostos, isso é resultante de uma enorme instabilidade emocional e o desejo de crescer rápido se impõe com força e lógica, mas com imaturidade e inexperiência, próprias da idade.

Sim, queridos pais, é um VERDADEIRO desafio diários entender, conviver, equilibrar-se com este turbilhão de emoções e comportamentos.

O tempo passou, queridos!

Aquelas crianças estão treinando para serem adultos, por isso se tornam críticos, guardam segredos de você, tais como seus medos, suas angústias, suas paixões, sua intimidade e seus heróis.

Todos nós fomos e somos influenciados pelos heróis, nossos pais também configuram como heróis na construção da identidade do filho. Contudo, os adolescentes se revoltam contra os modelos paternos.

Você pode me perguntar: Por quê?

Eu lhe digo que isso acontece, porque o adolescente pensa que essa revolta é sinal de sair do domínio dos pais, significa pensar com a própria cabeça e possui seus benefícios, como por exemplo: separar e fortalecer a própria identidade e pertença aos próprios grupos sociais.

Outro item que pode se transformar em obstáculo nessa relação Pais e Filhos é diferença de gerações que se traduzem na diferença como se vê o mundo, a excassez de tolerância com a polaridade das pretensões entre os papeis pais e filhos adolescentes, gerando um aumento no comportamento rebelde e oposicionista.

Todo adolescente está focado em si mesmo, no seu mundo interno, por isso desvia o interesse do mundo exterior, para se diferenciar, tornar-se autônomo, ele fantasia que esse recolhimento compensa suas inseguranças na própria presença no mundo real. Nesse momento a ruptura com toda forma de autoridade se expressa com evidência nas ausências nas atividades familiares, nos relacionamentos com os pais, professores, treinadores e mentores espirituais.

A dificuldade de aceitar a autoridade dos adultos é equivalente à impaciência dos adultos em entender a instabilidade dos adolescentes.

Apresento-lhe agora 4 alicerces para a construção de uma adolescência saudável para seu adolescente: afeto, independência, negociação e diálogo.

Como colocar esses ingredientes – alicerces – na prática? Como ter  uma adolescência saudável em 4 ações?

  1. Sinta Afeto:

Respeite o momento da pessoa que está na fase da adolescência. Cada um conhece a dor da adolescência, mas somente quem está vivendo sabe a SUA dor e que – certamente – é diferente, porque somos seres individuais.

  1. Construa Independência:

Respeitando o adolescente, você receberá o mesmo respeito. Todo adolescentes se considera maturo e não gostam de dar satisfações, em parte aprendizado com os adultos da família, por outro ângulo, esses teens precisam aprender que partilhar ideias, destinos e sentimentos, não significa fraqueza, mas sim partilhas. Seja exemplo! Fale sobre seus equívocos, seus medos, abrindo o canal, para que seu filho se sinta confortável e faça o mesmo, sem o medo de ser julgado.

  1. Desenvolva a Arte da Negociação:

Construa com seu filho contratos de boa convivência, esses acordos devem ser respeitados tanto por você (modelo a ser seguido) quanto por ele (resposta adulta ao modelo). Deixe claros e explicado os porquês de algumas proibições, restrições, assim como deixe claro quais são os seus objetivos com essas atitudes. Quando o adolescente entende e faz sentido para ele, a resposta é uma pessoa flexível, ousada, segura para ser ela mesma, porque ela conhece seus direitos e deveres, assim como conhece os riscos, ao romper o pacto. Desse modo acabaram as ameaças, castigos, brigas e arbitrariedades e surgem a flexibilidade, entendimento gerando progresso.

  1. Pratique a humanidade do Diálogo:

Esteja disponível, para entender a linguagem do seu filho, as músicas, os ídolos, a estética. Converse sobre como foi na sua adolescência. Conte sua história, suas dores, suas brigas com seus pais e como você e eles resolveram as diferenças.

Esteja aberto para ouvir sobre os amigos, os ‘ficantes’, respeitando a privacidade, a individualidade.

Desse modo você terá plena liberdade para altos papos sobre sexo, drogas, DST, com tranquilidade e rotina, porque as partes têm confiança um no outro, para compartilhar a vida.

Sabemos que uma família que respeita, ela agrega não só valor, mas também seus membros de maneira eterna.
A ação de transformação começa com o adulto – sempre – as crianças e os adolescentes aprendem com exemplos.

Bora lá, ser congruentes e educar pessoas mais seguras, íntegras e felizes.

Abraços Fortalecedores da Melcina.

“Estamos VIVOS!
Kaizen: Melhoria Contínua, porque O MELHOR – ainda – está por vir.”

Melcina Moura MorenoAdolescência Saudável em 4 Ações!
Leia Mais

O que significa FERIADO PROLONGADO PRA VOCÊ?

No comments

A pergunta pode soar como óbvia demais. Sim, você pode estar certo. Quero apresentar novas possibilidades de enxergar o feriado prolongado: trabalho,  empreendimento, viagem, descanso, ócio, ócio produtivo.

Trabalho. Muitas pessoas passaram os próximos 4 dias, ou parte deles trabalhando, empregando suas habilidades profissionais com maestria, justificando o seu contrato de trabalho e remuneração.

Empreendimento. Outras pessoas, se quisessem poderiam borboletear, mas como possuem metas claras a serem alcançadas, aproveitarão esses 4 dias, para empreender, apresentar seu negócio para terceiros, ficar em casa criando estratégias, escrevendo postagens, alinhando treinamentos…

Viagem. As estradas já estão lotadas, a rodoviária e os aeroportos também. São pessoas que usarão os 4 dias para conhecer novos lugares, rever parentes, desfrutar de momentos em família, nas estradas. Os hoteis e pousadas ficam lotados, pequenas cidades ganham sons novos, muitos risos e gargalhadas, porque VIAGEM TRANSFORMA.

Descanso. Muitas pessoas aproveitarão os 4 dias, para dormir mais, ficar largado no sofá, permanecer de pijama, usufruir a ausência de compromissos obrigatórios, evitar o trânsito. Assistir a filmes, ler, dedicar-se a hobbies.

Ócio. Com o mesmo sentido de “bundar”, ou seja, sem planos. A lei do mínimo esforço!

Ócio Produtivo. Usar o tempo de “bundar”, para criar músicas, poesias, textos, pinturas, receitas culinárias, dialogar com a família, brincar com crianças e pets, liberar a criança livre, fotografar, andar de bike, fazer caminhadas, remar…

Existem diversas maneiras de VIVER um FERIADO PROLONGADO, todas são corretas, são viáveis, são interessantes, desde que VOCÊ ESTEJA PRESENTE.

Você tem escolhas para VIVER os próximos 4 dias, até a falta de escolha é uma escolha, sabia????

Faça de sua escolha A MELHOR oportunidade de estar com você, de usufruir da sua MELHOR companhia: VOCÊ e assim SER uma EXCELENTE companhia para quem estiver ao seu lado.

Diante do HOJE. Vivemos AQUI. Estamos no AGORA. Temos a NÓS MESMOS.

Agora, compartilha comigo, respondendo à minha pergunta: O que significa FERIADO PROLONGADO PRA VOCÊ?


Abraços Festivos da Melcina.

“Estamos VIVOS!
Kaizen: Melhoria Contínua, porque O MELHOR – ainda – está por vir.”

 

 

 

 

 

Melcina Moura MorenoO que significa FERIADO PROLONGADO PRA VOCÊ?
Leia Mais

Livre-se do Trago da Morte com 8 atitudes!

No comments

Como diz o poeta Caetano Veloso: “É proibido proibir!” Todos temos o direito à escolha, inclusive de participar do grupo de mais de 200 mil pessoas cuja morte seria plenamente evitável.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) diz que o tabagismo é um problema de Saúde Pública, diante dessa realidade, desde 1986, todo dia 29 de agosto, comemora-se o Dia Nacional de Combate ao Fumo, graças à lei nº 7488, criada com o intuito de conscientizar e mobilizar a população sobre os riscos decorrentes do consumo do tabaco. Temos dois tipos de fumantes: os ativos e os passivos.

Fumantes Ativos pessoas que consomem o tabaco diretamente, a causa mortis mais frequente está vinculada a: infarto do miocárdio, enfisema pulmonar, derrame e alguns tipos de câncer, tais como: traqueia, laringe, brônquio e pulmão. Esse último é responsável por 90% da mortalidade, pois destaca-se que as chances de cura são bastante reduzidas. Outras complicações também importantes: impotência sexual no homem, infertilidade da mulher, hipertensão e diabetes.

Já, os Fumantes Passivos sofrem com o risco aumentado de desenvolverem câncer de pulmão e doenças cardiovasculares e respiratórias (asma e pneumonia). Mulheres fumantes podem ter partos prematuros e seus recém-nascidos com baixo peso.

Isso todo mundo sabe!
Sim, todo os habitantes do planeta Terra, a partir da adolescência sabe.

Apesar das campanhas conscientizadoras, das leis de restrição do Ato de Fumar em ambientes públicos…. Evidencia-se em muitas residências o ALTO índice de poluição resultantes da fumaça oriunda de objetos fumantes, de tabaco e outras drogas fumáveis.

Graças à Droga Psicoativa, conhecida como Nicotina, o vício começa  – principalmente na adolescência – com a experimentação, camuflagem de medos e inseguranças,  busca pelo prazer e pelo pertencimento. O aroma e o sabor são vinculados intrinsicamente ao gozo, sensação de bem-estar, de poder, em alguns fumantes até melhoria na concentração. Evidencia-se que o ato de fumar relaciona-se a questões sociais.

Lembro-me do filme Titanic, após o jantar, os homens se reuniam para fumar charutos, cachimbos, tomar o licor e dialogar sobre questões financeiras e pessoais.

Vemos o mesmo processo de socialização – atualmente – nos espaços reservados para os fumantes, os fumódromos, momento de diálogo, relaxamento e diversão compartilhado com outros dependentes.

É sabido que a nicotina atua no cérebro semelhantemente à cafeína, as reações e quadro de dependência diferem em relação aos níveis consumo do cigarro.

Talvez você já tenha ouvido estas frases: ‘Eu fumo, mas paro, quando eu quiser, não sou viciado.’ ‘Fumar não vicia, relaxa.’ ‘Eu não paro de fumar, para não engordar.’ ‘Fumar me relaxa, quando eu fumo fico mais criativo!’

Se você não é um Fumador Ativo, deve se perguntar: “Como pode ser tão bom e fazer tanto mal?”

Caro leitor, não há nada bom, saudável, positivo em consumir Tabaco; o ato de fumar é chamado de patógeno comportamental, ou seja, um conjunto de comportamentos/hábitos vinculados ao estilo de vida, 100% prejudicial à saúde de quem fuma e de todos os que o cercam, pessoas, animais, plantas, pintura nas paredes, objetos decorativos.

O Fumador estabelece um vínculo de personificação com o cigarro, charuto, cachimbo… Nesse processo o objeto fumável torna-se o maior e melhor companheiro de todas as horas, aquele que dá forças e alívio nos diversos momentos (crise e sucesso, perdas e ganhos). Diante desse quadro, o nosso papel (psicólogo e coach) é construir um processo de Superação do Vício do Tabagismo, viabilizar a compreensão de que todas as emoções e sentimentos de força, coragem, apoio originam-se na própria pessoa.

Diante da abstinência da nicotina, o corpo reage imediatamente com: nervosismo e irritação,  aumento dos batimentos cardíacos,  sensação de boca seca que podem avançar para quadros de insônia e depressão leve – quando a abstinência torna-se mais prolongada. Esse é o motivo que fazem com que muitas pessoas – no início do processo terapêutico – voltem a consumir o tabaco.

Outro fator importante a ser comentado é que essa busca incansável de prazer cuja preocupação consiste no fato de que pessoas fisica e psicologicamente dependentes de uma substância carregam consigo maior probabilidade de se tornarem dependentes de outras drogas, tais como: álcool, maconha, heroína, cocaína.

Libertar-se da dependência do Tabaco é possível, é necessária, é uma ATITUDE de CORAGEM e AUTOESTIMA em prol da própria vida. Em meus processos de Psicoterapia e Coaching de Superação do Tabagismo, 8 atitudes são imprescindíveis:

  1. Descobrir e entender os acionadores do desejo de Fumar.
    Autoconhecimento viabiliza a descoberta dos motivos subjetivos que levou a pessoa ao vício é um processo doloroso, mas libertador, porque a partir dessa descoberta e compreensão, você pode propiciar o contra-comando cerebral, diante do start: Hora de fumar. Você pode desenvolver o contra-comando, através de ferramentas da PNL.
  1. Compreender os espaços vazios na rotina diária preenchidos pelo cigarro.
    A compreensão dos vazios preenchidos pela fumaça é outro passo importante, pois viabiliza que a pessoa encontre preenchimentos saudáveis, ou conviver com os vazios de maneira qualitativa, desenvolvendo Alta Performance, usando técnicas da Inteligência Emocional.

3. Estabelecer o motivo da Liberdade.
Entender o passo do processo de libertação: Qual o motivo de se libertar? Para que se libertar? Como se libertar? Quanto custa se libertar? (emocional e financeiramente) Quando será o início da liberdade? Quem é o responsável pela libertação?

  1. Livrar-se dos objetos referentes ao consumo.
    Quando a pessoa se liberta dos objetos, produtos relacionados com o vício, principia o processo de autolimpeza, de desapego.
  1. Distanciar-se de pessoas que possuem o mesmo vício.
    Os amigos são importantes, mas os companheiros de vício não são motivadores para a libertação, esse é o motivo do distanciamento saudável, mudar as companhias é imprescindível. Melhoria Contínua é o entendimento de que a mudança efetiva é um processo, não acontece da noite para o dia.
  1. A hora da troca saudável.
    A abstinência é real, forte e virá exercer o seu poder sobre você. Nesses momentos, você deverá assumir o comando, dizendo ao seu cérebro quem manda, por exemplo: Diante da vontade de fumar, você diz: “Eu entendi a sua mensagem, mas somente – a partir – de agora, farei diferente.” Ao invés de fumar, beba 1 copo com água, coma uma fruta fresca ou desidratada (ameixas, damascos secos, uvas passas), ou nozes, castanhas, amendoim.
  1. Fazer atividades prazerosas.
    Eleja atividades singelas e cotidianas que propiciem prazer, relaxamento. Busque dialogar sobre outros assuntos com os novos companheiros.
  1. Solicitar ajuda da família, parentes e amigos.
    A família, os parentes e amigos são pessoas que nos amam, que querem o nosso bem, muitos podem ajudar a pessoa no processo de libertação; outras não, por estarem igualmente dentro do contexto do vício. Contudo, tornar a SUA DECISÃO conhecida, pública, traz para você Autoridade e liderança sobre sua própria vida.

Homem, a dependência do Tabaco não representa PODER, VIRILIDADE. A dependência de drogas lícitas (álcool, comida e tabaco) e todas as ilícitas significa que você possui um Transtorno de Ansiedade, indica que você pode SER MAIS SAUDÁVEL, que precisa DECIDIR por você e USAR o seu QUERER para transmitir o seu PODER MASCULINO.

Mulher, a dependência do Tabaco não representa CHARME, MODERNIDADE. A dependência de drogas lícitas (álcool, comida e tabaco) e todas as ilícitas significa que você possui um Transtorno de Ansiedade, indica que você pode SER MAIS SAUDÁVEL, que precisa DECIDIR por você e USAR o seu QUERER para transmitir o seu PODER FEMININO.

Todos vamos morrer, isso é inevitável.
Agora está na sua mão o poder de evitar a morte pelo tabagismo.
O seu querer tem o PODER de libertar-se das estatísticas.

Abraços Motivadores da Melcina.

Melcina Moura MorenoLivre-se do Trago da Morte com 8 atitudes!
Leia Mais

É proibido proibir a Amamentação em público!

No comments

Assistindo a um capítulo da Série Os Dias eram assim, uma cena chamou a minha atenção e despertou o meu interesse para este artigo. A cena é natural, uma mulher que amamenta seu bebê na praia, nos tempos da repressão declarada, anos 70. A personagem Monique, vivida por Letícia Spiller, sofre agressão verbal e ataque moral.

Espanto? Não, realidade.

Apesar de vivermos na Era Digital e sabermos que:

Somos todos mamíferos. Como mamíferos, quando filhotes necessitamos ser amamentados por nossas mães.

Mais que necessidade é UM DIREITO. Só que esse direito sofre – ainda – hoje, na era digital inúmeras demonstrações de preconceito, de assédio moral por parte de mamíferos adultos.

Esse direito é garantido pela Lei 16.047/2015. Leia mais sobre essa lei

Você sabia que em toda a República brasileira, apenas 5 estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Mato Grosso e Minas Gerais asseguram e legitimam o direito à amamentação em locais públicos, punindo financeiramente o agressor?

Pois é. Inúmeras mulheres sofreram e ainda sofrem com esse olhar limítrofe a esse ato de AMOR, de alimentação natural implicando em alguns conceitos ultrapassados e deturpados.

Lembro-me da Leila Diniz que chocou o Brasil, gerando violentas críticas, mas abriu o portal para que outras mulheres iniciassem timidamente a expor seu corpo grávido ao mundo.

Você pode dizer: “Ah, mas era fim da década de 60, início dos anos 70, repressão, conservadorismo, censura!”

Eu lhe convido a uma reflexão:

Hoje, Século XXI, 2017, democracia declarada, todos podem falar o que pensam, milhões geram conteúdo nas redes sociais.

Qual é o limite, o motivo para – ainda – encarar um ato natural de alimentação como algo promíscuo, exibicionista, vergonhoso, que pode ser misturado com erotismo?

O que é mais vergonhoso: corrupção ou amamentação?

O tempo pode ser outro. A tecnologia tornou realidade o que era ficção. A mentalidade de quem ignora sua natureza permanece, em muitos, a mesma do século XIX.

Se queremos mudança social.
Se desejamos a Ética.
Se entendemos que Respeito à Natureza é Ética, é Elegância.

Faz sentido levantar a bandeira:

Peito de fora para alimentar uma pessoa
é ético, é respeitoso, é natural é elegante.

Viva o Direito de SER Mamífero. Viva o Direito de AMAr-aliMENTARAMAMENTAR.

Bora lá divulgar esta ideia!

Abraços Resilientes da Melcina.

#Estamos VIVOS!
Kaizen: Melhoria Contínua, porque O MELHOR – ainda – está por vir.”

Melcina Moura MorenoÉ proibido proibir a Amamentação em público!
Leia Mais

Índios: Preservação é VIDA

No comments

Índios. “Mas, agora ele só tem o dia 19 de abril!” 1

Os primeiros habitantes desta Terra Brasil constituiam diversas nações com seus costumes, suas crenças que, dentre todas as diferenças existia e – ainda – persiste a principal: RESPEITO.

Respeito à natureza, uso inteligente de todos os recursos: fauna, flora, minerais.

Respeito ao espaço do outro.

Respeito às crianças, um índio não rasteja, ele fica com a mãe no colo e em brincadeiras até que esteja com suas pernas firmes, para caminhar.

Respeito aos idosos, fonte de sabedoria, palavra ouvida e escutada, presença honrada e necessária, para a perpetuação da identidade.

Respeito às mulheres, representantes da VIDA na tribo, aquelas que são como a Terra mansidão e força.

Respeito aos homens, os guerreiros, os guardiões, os caçadores, os provedores.

Respeito ao Divino.

Respeito à VIDA.

Os índios são humanos cuja beleza genuina da inocência foi quebrada, quando lhes “deram espelhos e viram um mundo doente” 2.

Nos final dos anos 80, finalizada a graduação, na época, existia o Projeto Rondon, os jovens graduados, podiam passar uma temporada em estudos, compartilhando conhecimento em regiões carentes do país. Escolhi passar minha temporada de 3 meses, em Rondônia, com os índios Suruí. Meus pais não se alegraram muito, mas permitiram – visualizando o aprendizado e o ganho para a vida da Melcininha, uma jovem de apenas 19 anos e alguns meses.

Querido leitor, a adaptação nos primeiros dias foi bastante difícil. Contudo, a partir da segunda semana, só tenho boas lembranças da convivência, tenho plena ciência de que mais aprendi do que compartilhei.

Quando os índios – ainda – são preservados do convívio com os rudes humanos socializados, eles não dispõem de patologias físicas, emocionais. São pessoas inteligentíssimas, perspicazes, focadas, saudáveis e FELIZES, felicidade genuina.

Contudo, para minha grande lamentação, a maioria dos nossos aborígenes – hoje – já sofre com o convívio patológico e contaminante do homem socializado, portanto, sofre com depressão e outras psicopatologias da vida moderna.

Pobres, muitos, em profunda miséria, morrendo de doenças virais e bacterianas, sendo forçados a práticas pouco lícitas, para garantir a sobrevivência.

O que enaltece o coração é que este aborígene, este nativo, mantém sua postura de preservação da natureza, muitos – usando da tecnologia para cuidar, para denunciar as agressões à natureza.

Engana-se se você pensa que a CULTURA INDÍGENA está restrita às tribos, mas os índios desejam conhecimento, formação acadêmica, para melhorar a condição de vida na rotina da aldeia.

Hoje, no dia Nacional do Índio, convido você a conhecer um pouco deste povo que habita ao meu coração a nação Paiter, os Suruí de Rondônia. Assista ao vídeo e Saiba mais.

1 Baby do Brasil / 2 Renato Russo

Aguardo seus comentários e compartilhamentos.

Abraços Resilientes da Melcina.
#melcinacoaching @melcinacoaching

“Você está vivo!
Kaizen: Melhoria Contínua, porque O MELHOR – ainda – está por vir.”

Melcina Moura MorenoÍndios: Preservação é VIDA
Leia Mais

O que você enxerga do que vê?

No comments

“A vida é o que fazemos dela.
As viagens são os viajantes.
O que vemos não é o que vemos, senão o que somos.”
Fernando Pessoa

O que você vê na sua vida?
O que você vê e enxerga na foto presente neste post?
Alguma vez, você trocou a cor, ou cortou os cabelos e ninguém percebeu? Tem um estudo sobre isso!

Em, 1998, estudiosos das Universidades de Harvard e Kent fizeram um experimento que – talvez – você já viu e riu muito reiteradas vezes na famosas “pegadinhas”, em programas de auditório nas TVs abertas e fechadas.
O estudo é este:
Cenário: uma rua, praça pública.
Envolvidos: Um ator necessitando de uma informação. Um pedestre comum. 2 trabalhadores carregando caixas, ou materiais de construção.
Contexto: Ator faz uma pergunta ao pedestre, enquanto esse responde, 2 trabalhadores passam carregando um objeto que impede a visão entre o ator e o pedestre com alguns segundos.
Novidade: enquanto os trabalhadores estão passando trocam o ator, por alguém com trajes e aparência diferentes.
Conclusão: 50% dos testados não perceberam a mudança do ator, continuaram dando a resposta e foram embora.

O que podemos entender desse estudo?
Nós não notamos o que está diante de nós. Esse é o motivo pelo qual no BBB, os participantes com o passar das horas, esquecem que estão sendo observados – até que alguém alerta. A questão é que não temos tanta consciência do que se passa à nossa volta. Esse fato chama-se “Cegueira a Mudanças”.
Cegueira a Mudanças é a nossa capacidade seletiva em relação ao que apreendemos em qualquer cena visual, concluindo que nos pautamos muito mais pela memória e o reconhecimento de padrões, do que pelo que estamos – de fato – vivenciando.

Vamos exercitar o nosso cérebro!
Olhar, ver e enxergar os detalhes, as pequenas mudanças em nós e nos outros funciona como afinar um instrumento musical, ou seja, proporciona mais cor à vida.

Participe da nossa pesquisa: O que você vê na imagem deste post?

Até breve.

Melcina Moura MorenoO que você enxerga do que vê?
Leia Mais