coaching de autoliderança

Livre-se do Trago da Morte com 8 atitudes!

No comments

Como diz o poeta Caetano Veloso: “É proibido proibir!” Todos temos o direito à escolha, inclusive de participar do grupo de mais de 200 mil pessoas cuja morte seria plenamente evitável.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) diz que o tabagismo é um problema de Saúde Pública, diante dessa realidade, desde 1986, todo dia 29 de agosto, comemora-se o Dia Nacional de Combate ao Fumo, graças à lei nº 7488, criada com o intuito de conscientizar e mobilizar a população sobre os riscos decorrentes do consumo do tabaco. Temos dois tipos de fumantes: os ativos e os passivos.

Fumantes Ativos pessoas que consomem o tabaco diretamente, a causa mortis mais frequente está vinculada a: infarto do miocárdio, enfisema pulmonar, derrame e alguns tipos de câncer, tais como: traqueia, laringe, brônquio e pulmão. Esse último é responsável por 90% da mortalidade, pois destaca-se que as chances de cura são bastante reduzidas. Outras complicações também importantes: impotência sexual no homem, infertilidade da mulher, hipertensão e diabetes.

Já, os Fumantes Passivos sofrem com o risco aumentado de desenvolverem câncer de pulmão e doenças cardiovasculares e respiratórias (asma e pneumonia). Mulheres fumantes podem ter partos prematuros e seus recém-nascidos com baixo peso.

Isso todo mundo sabe!
Sim, todo os habitantes do planeta Terra, a partir da adolescência sabe.

Apesar das campanhas conscientizadoras, das leis de restrição do Ato de Fumar em ambientes públicos…. Evidencia-se em muitas residências o ALTO índice de poluição resultantes da fumaça oriunda de objetos fumantes, de tabaco e outras drogas fumáveis.

Graças à Droga Psicoativa, conhecida como Nicotina, o vício começa  – principalmente na adolescência – com a experimentação, camuflagem de medos e inseguranças,  busca pelo prazer e pelo pertencimento. O aroma e o sabor são vinculados intrinsicamente ao gozo, sensação de bem-estar, de poder, em alguns fumantes até melhoria na concentração. Evidencia-se que o ato de fumar relaciona-se a questões sociais.

Lembro-me do filme Titanic, após o jantar, os homens se reuniam para fumar charutos, cachimbos, tomar o licor e dialogar sobre questões financeiras e pessoais.

Vemos o mesmo processo de socialização – atualmente – nos espaços reservados para os fumantes, os fumódromos, momento de diálogo, relaxamento e diversão compartilhado com outros dependentes.

É sabido que a nicotina atua no cérebro semelhantemente à cafeína, as reações e quadro de dependência diferem em relação aos níveis consumo do cigarro.

Talvez você já tenha ouvido estas frases: ‘Eu fumo, mas paro, quando eu quiser, não sou viciado.’ ‘Fumar não vicia, relaxa.’ ‘Eu não paro de fumar, para não engordar.’ ‘Fumar me relaxa, quando eu fumo fico mais criativo!’

Se você não é um Fumador Ativo, deve se perguntar: “Como pode ser tão bom e fazer tanto mal?”

Caro leitor, não há nada bom, saudável, positivo em consumir Tabaco; o ato de fumar é chamado de patógeno comportamental, ou seja, um conjunto de comportamentos/hábitos vinculados ao estilo de vida, 100% prejudicial à saúde de quem fuma e de todos os que o cercam, pessoas, animais, plantas, pintura nas paredes, objetos decorativos.

O Fumador estabelece um vínculo de personificação com o cigarro, charuto, cachimbo… Nesse processo o objeto fumável torna-se o maior e melhor companheiro de todas as horas, aquele que dá forças e alívio nos diversos momentos (crise e sucesso, perdas e ganhos). Diante desse quadro, o nosso papel (psicólogo e coach) é construir um processo de Superação do Vício do Tabagismo, viabilizar a compreensão de que todas as emoções e sentimentos de força, coragem, apoio originam-se na própria pessoa.

Diante da abstinência da nicotina, o corpo reage imediatamente com: nervosismo e irritação,  aumento dos batimentos cardíacos,  sensação de boca seca que podem avançar para quadros de insônia e depressão leve – quando a abstinência torna-se mais prolongada. Esse é o motivo que fazem com que muitas pessoas – no início do processo terapêutico – voltem a consumir o tabaco.

Outro fator importante a ser comentado é que essa busca incansável de prazer cuja preocupação consiste no fato de que pessoas fisica e psicologicamente dependentes de uma substância carregam consigo maior probabilidade de se tornarem dependentes de outras drogas, tais como: álcool, maconha, heroína, cocaína.

Libertar-se da dependência do Tabaco é possível, é necessária, é uma ATITUDE de CORAGEM e AUTOESTIMA em prol da própria vida. Em meus processos de Psicoterapia e Coaching de Superação do Tabagismo, 8 atitudes são imprescindíveis:

  1. Descobrir e entender os acionadores do desejo de Fumar.
    Autoconhecimento viabiliza a descoberta dos motivos subjetivos que levou a pessoa ao vício é um processo doloroso, mas libertador, porque a partir dessa descoberta e compreensão, você pode propiciar o contra-comando cerebral, diante do start: Hora de fumar. Você pode desenvolver o contra-comando, através de ferramentas da PNL.
  1. Compreender os espaços vazios na rotina diária preenchidos pelo cigarro.
    A compreensão dos vazios preenchidos pela fumaça é outro passo importante, pois viabiliza que a pessoa encontre preenchimentos saudáveis, ou conviver com os vazios de maneira qualitativa, desenvolvendo Alta Performance, usando técnicas da Inteligência Emocional.

3. Estabelecer o motivo da Liberdade.
Entender o passo do processo de libertação: Qual o motivo de se libertar? Para que se libertar? Como se libertar? Quanto custa se libertar? (emocional e financeiramente) Quando será o início da liberdade? Quem é o responsável pela libertação?

  1. Livrar-se dos objetos referentes ao consumo.
    Quando a pessoa se liberta dos objetos, produtos relacionados com o vício, principia o processo de autolimpeza, de desapego.
  1. Distanciar-se de pessoas que possuem o mesmo vício.
    Os amigos são importantes, mas os companheiros de vício não são motivadores para a libertação, esse é o motivo do distanciamento saudável, mudar as companhias é imprescindível. Melhoria Contínua é o entendimento de que a mudança efetiva é um processo, não acontece da noite para o dia.
  1. A hora da troca saudável.
    A abstinência é real, forte e virá exercer o seu poder sobre você. Nesses momentos, você deverá assumir o comando, dizendo ao seu cérebro quem manda, por exemplo: Diante da vontade de fumar, você diz: “Eu entendi a sua mensagem, mas somente – a partir – de agora, farei diferente.” Ao invés de fumar, beba 1 copo com água, coma uma fruta fresca ou desidratada (ameixas, damascos secos, uvas passas), ou nozes, castanhas, amendoim.
  1. Fazer atividades prazerosas.
    Eleja atividades singelas e cotidianas que propiciem prazer, relaxamento. Busque dialogar sobre outros assuntos com os novos companheiros.
  1. Solicitar ajuda da família, parentes e amigos.
    A família, os parentes e amigos são pessoas que nos amam, que querem o nosso bem, muitos podem ajudar a pessoa no processo de libertação; outras não, por estarem igualmente dentro do contexto do vício. Contudo, tornar a SUA DECISÃO conhecida, pública, traz para você Autoridade e liderança sobre sua própria vida.

Homem, a dependência do Tabaco não representa PODER, VIRILIDADE. A dependência de drogas lícitas (álcool, comida e tabaco) e todas as ilícitas significa que você possui um Transtorno de Ansiedade, indica que você pode SER MAIS SAUDÁVEL, que precisa DECIDIR por você e USAR o seu QUERER para transmitir o seu PODER MASCULINO.

Mulher, a dependência do Tabaco não representa CHARME, MODERNIDADE. A dependência de drogas lícitas (álcool, comida e tabaco) e todas as ilícitas significa que você possui um Transtorno de Ansiedade, indica que você pode SER MAIS SAUDÁVEL, que precisa DECIDIR por você e USAR o seu QUERER para transmitir o seu PODER FEMININO.

Todos vamos morrer, isso é inevitável.
Agora está na sua mão o poder de evitar a morte pelo tabagismo.
O seu querer tem o PODER de libertar-se das estatísticas.

Abraços Motivadores da Melcina.

Melcina Moura MorenoLivre-se do Trago da Morte com 8 atitudes!
Leia Mais

Trabalho: hoje é nosso dia. Emprego: Cadê você?

No comments

Muito se vê, se fala e se sabe sobre as baixas oportunidades de emprego em dias atuais. Culpam-se os governos atuais, esquecendo-se dos aparatos sociais e morais que bloqueiam o desenvolvimento econômico e financeiro da sociedade.

Entendendo que emprego envolve o vínculo empregatício, propiciando os ganhos comerciais.

Se, de um lado é desesperador enxergar uma sociedade com pessoas sem emprego, tendo sua vida atordoada pelas dificuldades financeiras, pelo descumprimento de contratos comerciais, pela perda do padrão social de sobrevivência com qualidade de vida.

Por outro lado, tem-se a oportunidade de pensar em novas propostas de emprego que possam agregar: remuneração monetária com realização pessoal e reconhecimento profissional.

Talvez você já tenha visto, ouvido pessoas entristecidas, frustradas, desmotivadas profissionalmente, mesmo tendo ganhos expressivos em seus empregos. Você pode até ter se perguntado:

“Como isso pode acontecer?
E
ssa pessoa tem uma posição organizacional de liderança, recebe boa remuneração financeira, possui um plano de carreira e benefícios tão maravilhosos.
Por que não está feliz?
Por que não se sente motivado para o trabalho?”

As respostas para essas perguntas habita em algo chamado: AUTO-SATISFAÇÃO, AUTO-RECONHECIMENTO, REALIZAÇÃO PESSOAL E PROFISSIONAL.

Pode parecer algo estúpido, pensar que a boa remuneração não gere satisfação, mas não é estupidez, é real.

No mundo capitalista do TER, todo cidadão tem compromissos financeiros e, para cumprir com tais compromissos, mantendo e honrando o nome, a palavra empenhada.

As pessoas são levadas a aceitar quaisquer condições empregatícias, para suprir as necessidades de sobrevivência, a manutenção da dignidade própria e da família. Nesse afã de sobrevivência, o foco é o financeiro, o material, deixando de lado todo o aspecto emocional, intelectual – muitas vezes.

Então, faz sentido essa geração de frustrações pessoais e profissionais, que – talvez – não justifiquem o pagamento financeiro, ou status.

Diferentemente do emprego, o trabalho significa exercer qualquer atividade com ou sem remuneração, voluntária ou obrigatória, braçal ou intelectual.

Todo trabalho dignifica o homem, alimenta a satisfação emocional. Porém, nem sempre – todo trabalho viabiliza o cumprimento dos compromissos comerciais.

A aliança entre o trabalho e o emprego é o ideal, é o necessário, garantindo a saúde física, emocional, intelectual e social de todos nós.

Faça seu trabalho com excelência.
Busque  atualização contínua em seu âmbito profissional: cursos, leituras.
Vislumbre novas possibilidades de trabalho e emprego.
Participe de grupos de afinidades profissionais, para divulgar-se como pessoa e como profissional.

Todos somos trabalhadores e hoje é nosso dia. Parabéns pra todos nós.

Bora lá, construir esta NOVA FASE com PROSPERIDADE. Rumo ao Sucesso profissional.

Abraços Motivadores da Melcina.

“Você está vivo!
Kaizen: Melhoria Contínua, porque O MELHOR – ainda – está por vir.”

Melcina Moura MorenoTrabalho: hoje é nosso dia. Emprego: Cadê você?
Leia Mais

Autoestima: Com que olhos eu me olho e o que vejo?

No comments

Somos educados a olhar para a nossa pessoa e enxergar o que nos dizem ser verdade.

Muitas vezes essa educação gera distorções: excesso de apreciação de si mesmo, levando a pessoa a só enxergar a si mesmo; carência dessa apreciação, proporcionando a conhecida síndrome do Patinho Feio, ou do Nadismo (sou nada).

O equilíbrio é ideal? Sim, havendo equilíbrio, existe autorrespeito, autoconfiança, amor próprio. Isso propicia ousadia com cautela; vitória no processo e realização plena de seus projetos.

Mas, encontrar o equilíbrio é aprendizado constante e enumero 6 atitudes que elevam a autoestima:

  1. Autoconhecimento. Quando nos conhecemos, sabemos reconhecer nossas joias e entender que precisamos lapidar os cascalhos, para evoluirmos.
  2. C.H.A. Conhecer as Competências, as Habilidades e ter as Atitudes acertadas e que possam levar ao Resultado Desejado.
  3. Respeito e Carinho. Cuidar de si mesmo, estabelecendo um relacionamento intrapessoal qualitativo e amoroso é imprescindível.
  4. Erros. Entender que errar faz parte do processo, mas que aprender com os erros indica sabedoria.
  5. Excelência. Fazer O MELHOR o que sabe fazer BEM, gera mais felicidade.
  6. Saúde. Cultivar as 5 Saúdes: Física, Emocional, Social, Intelectual e Espiritual.

Faz sentido pra você, melhorar a sua Autoestima?

Você está pronto para implementar esse processo de Mudança em sua vida?

Se as respostas forem positivas, entre em contato.

Abraços da Melcina.
CEO do IMM. Neurocientista. Psicóloga. Master Coach de Liderança. Palestrante.

“Você está vivo!
Kaizen: Melhoria Contínua, porque O MELHOR – ainda – está por vir.”

Melcina Moura MorenoAutoestima: Com que olhos eu me olho e o que vejo?
Leia Mais

Você sabe como vencer as 4 armadilhas mentais que lhe impedem de chegar ao Topo?

No comments

O cérebro é uma máquina perfeita, a mente tem a capacidade de criar diversas armadilhas que dificultam ou impedem o seu desenvolvimento pessoal, ou a sua ascensão profissional. São impedimentos sutis que inibem a autoconsciência de quem você é de sua autoliderança.

  1. Armadilha Dino da Silva Sauro: “Querida, cheguei!” “Sou um derrubador de árvores.”–

O conformismo caracteriza um perfil passivo, próprio de quem não está ocupado em evoluir como pessoa, logo como profissional. Geralmente é aquela pessoa que não aceita novas ideias, foge de cursos de aperfeiçoamento, nega as tecnologias de avanço, tem dificuldade em dialogar com gerações diferentes.

  1. Armadilha Hardy: “Oh, vida! Oh, céus! Isso não vai dar certo?” “Por que não eu?” “Só acontece comigo!”

O coitado, a vítima, o azarão representa o estágio mais avançado do Dino. Por acreditar ser incapaz de realizar, graças a crenças limitantes que a própria pessoa se dedica, busca incessantemente convencer a família, a equipe de trabalho de que é uma pessoa boa, mas que sofre assédio moral de todos, responsável por torná-lo um derrotado. Passa a vida lamentando e sofrendo por não ter o poder de mudar.

  1. Armadilha King Julien: “Tem sempre uma segunda opção””Não é nada pessoal, meu caro, mas a gente é melhor do que tu!”

Valoriza a autoimagem de perfeição; quem erra é o outro. Ele é o máximo, perfeito. Diante da crise, tem dificuldade de admitir os próprios erros, não se aceitando como imperfeito, então transfere a responsabilidade pelo erro ao outro. Uma pesoa inflexível, sofre tanto física quanto psiquicamente, porque não admite os erros, admiti-los é abdicar do seu potencial de superá-los.

  1. Armadilha Scooby-Doo: “Patas, pra que te quero!” “O quê? Fantasma?

Ousadia com estratégia, ou sem estratégia não faz parte da realidade. Aquela pessoa que trava na hora “H”, tem metas e sonhos, mas o medo dos riscos no caminho da realização sobressai, então é melhor não fazer nada. Vê todo e qualquer obstáculo como intransponível, portanto, não possui habilidade com análise de riscos, com estratégias de empreendimentos.

Ao conhecer essas armadilhas, você se reconheceu? Não se assuste, todo ser humano – em algum momento – passa por elas.

O importante é reconhecê-las e buscar a libertação! Ocupe-se com a resolução.

A hora é agora, aproveite a crença brasileira de que o ano só principia após o carnaval e coloque-se no comando da construção da sua Melhor versão com exercícios diários, práticas mentais transformadoras do seu modo de pensar.

À noite, após avaliar suas ações diárias, pegue um caderno, anote da data, faça-se 3 perguntas poderosas, responda-as , escrevendo suas respostas:

  1. Faz sentido eu pensar dessa maneira?
  2. Quais os 3 sentimentos que vêm à mente diante dessa situação?
  3. Quais as 3 atitudes terei amanhã, para pensar e sentir a favor do que eu desejo?

Na noite seguinte, avalie o progresso, anote os resultados:

  1. Cumpri minha meta e consegui diminuir minhas armadilhas;
  2. Cumpri em partes;
  3. Não cumpri.

A sua mente é neuroplástica, logo tudo pode mudar, mas permita-se um prazo de treino de 21 dias.

Se fizer sentido pra você, prosseguir com seu processo de AutoLiderança, faça as mesmas 3 perguntas, responda-as e… bora lá realizar.

Sinta-se à vontade, para comentar e compartilhar.

Abraços da Melcina.

#melcinacoaching

 

Melcina Moura MorenoVocê sabe como vencer as 4 armadilhas mentais que lhe impedem de chegar ao Topo?
Leia Mais

Como manter a Saúde MENTAL com ALIMENTAÇÃO?

No comments

Ano Novo, Vida Nova.

Muitos planos e projetos, mas é sabido que um em cada cinco adultos, no Brasil, passa por um distúrbio da Saúde Mental, nos últimos anos. Talvez você conheça, conviva com alguém, um  sofredor do Mal da Alma, transtorno psicológico.

A mídia digital é uma das poderosas ferramentas de mascaramento da verdade. Vemos sorrisos espalhados, sucesso estampado em todas as mídias sociais, mas – quanto há de verdade nessa Tsunami  de “Alto Astral”?

O que aparece – frequentemente – no consultório é uma outra realidade cuja comprobabilidade também é vista nas pesquisas sobre Saúde Mental, e apresenta 5 fatos preocupantes:

1.       Aumento da taxa de suicídio. Coordenadoria de Controle de Doenças (CCD) brasileira, constatou que as mortes – por suicídio – chegaram ao nível mais alto, nos últimos 10 anos. Esse aumento entre os adolescentes, na faixa dos 10 aos 16 anos é preocupante.

Suicídio é um problema de saúde pública que pode e deve ser evitado.

2.  Mídia constrói uma representação equivocada da Doença Mental e a da Violência. A Universidade Johns Hopkins divulgou um estudo, em junho, constatando que mais de um terço dos artigos sobre doença mental relatados na mídia vinculam um transtorno de saúde mental com violência em relação às outras pessoas.

Nesse estudo foram excluídos: a violência vinculada ao Preconceito social, étnico e de gênero e a insurgente necessidade de SER e ESTAR – presente em todas as mídias sociais, ter o que mostrar e SER sempre o MELHOR, desconsiderando o processo de construção dessa excelência.

  1. Transtornos Psicológicos movimentam a indústria dos medicamentos. Pesquisadores dizem que esse custo é um índice claro de que mais pessoas precisam reconhecer a saúde mental como um problema de saúde pública como as doenças cardiovasculares ou a diabetes.

Essa é uma das terapêuticas que deve ser aliada a tratamentos de partilha: psicoterapia, coaching com diversas outras terapias que, combinadas trazem o resultado desejado: controle.

4. Profissionais de Saúde e os Transtornos Psicológicos. As doenças mentais são uma realidade crônica, essa condição requer acompanhamento frequente, além da medicação, o tempo para a escuta e atividades lúdicas, artísticas e de socialização são os ingredientes necessários para um processo de Retomada da Vida com mais qualidade.

A vida continua, mesmo após o recebimento do diagnóstico de um transtorno psicológico. Na verdade a vida ganha um colorido novo com esse diagnóstico que faz com que a pessoa cuide com mais carinho de si mesma, assumindo a responsabilidade pelo tratamento e pelo seu sucesso.

5. Preconceito ou vergonha? Nos cenários político e midiático pouco se discute sobre a saúde mental e em como fazer campanhas educativas e motivadoras da busca pelo tratamento. Muitas personalidades famosas possuem seus Males da Alma, falam sobre eles: Roberto Carlos, TOC; Kassia Kiss Magro, Bipolaridade, essas partilhas servem de estimulação positiva para Ações Efetivas de Educação, Tratamento e Mudança.

O conceito prévio, pré-conceito, é próprio das pessoas que não conhecem. A vergonha é sinônimo de desonra. Ter um transtorno, uma patologia mental é um dos itens que compõe sua existência, nunca o MAIOR deles.

Minha mãe contava uma história interessante que compartilho com você: A segunda esposa do meu avô ficara cega na vida adulta, em consequência de uma medicação errada. Então, ela cultivou e manteve seus hábitos de higiene e vaidade de sempre. Certa vez, uma pessoa chegou perto dela e começou a falar muito alto e bem devagar, ela então disse: “Por favor, pode falar baixo e normalmente, sou cega, mas não burra ou surda.”

Moral da história: Ter uma doença mental não significa que você esteja impossibilitado de TER sucesso e Existir com Alto nível de Performance.

Agora, a CURA da Doença Mental com Alimentação:

1. Alimente-se bem e sempre: alimentos saudáveis, sono de qualidade, atividade física;

2.  Alimente-se bem e sempre: cultive sentimentos qualificados e luminosos;

3.  Alimente-se bem e sempre: conviva com pessoas boas e do BEM e partilhe seu lazer;

4.  Alimente-se bem e sempre: músicas, leituras, programações de TV, cinema, teatro e shows;

5.  Alimente-se bem e sempre: AMOR por si mesmo e por toda forma de vida, através da religiosidade.

Em meu Método Melcina Coaching (MMC) de autoconhecimento tenho programas específicos para os Males da Alma.

Se você leu esse artigo é porque o assunto chamou a sua atenção. Deixe seu comentário, retorno rapidinho.

Sinta-se à vontade para entrar em contato.

Até breve.
Melcina Moura Moreno
Neurocientista, Psicóloga, Master Coach de AutoLiderança

Melcina Moura MorenoComo manter a Saúde MENTAL com ALIMENTAÇÃO?
Leia Mais